Notícias

Trabalho e Realização

trabalho-realizacao 01Trabalhar é uma manifestação da "nossa natureza (que) é criativa e, ao expressá-la, geramos constantemente mais entusiasmo e criatividade, estimulando um processo contínuo de contentamento no mundo à nossa volta. Trabalhar de bom grado, com toda a nossa energia e entusiasmo, é o modo que temos de contribuir para a vida." (Tarthang Tulku).

Infelizmente isto não é uma realidade vivida por todos. Para uma grande maioria, trabalho é quase sinónimo de stress. Embora possam viver alguns momentos de satisfação a trabalhar, é, sobretudo, no que poderão fazer a partir do rendimento obtido que reside a motivação para o trabalho e o seu sentido. Agindo quase como mercenários, sujeitamo-nos ao trabalho "duro" e "sem sentido" em busca da compensação financeira que permitirá a nossa satisfação na vida, quer garantindo a nossa sobrevivência, quer permitindo-nos a constituição de família, quer propiciando-nos alguns momentos de prazer e de bem-estar no lazer e nas férias.

O trabalho é visto como algo objectivo, envolvendo alguma tensão, e persegue metas e parâmetros que não têm muito a ver com a minha sensibilidade ou intimidade. Este mundo, o da intimidade, parece não se encaixar no contexto do trabalho, excepto em algumas conversas ou brincadeiras que possam surgir entre colegas, para descontrair, nos intervalos. O trabalho é visto como algo eminentemente objectivo, ficando para outras esferas qualquer manifestação de ordem mais subjectiva (onde então podemos relaxar sem sermos vistos como desleixados ou irresponsáveis). Nada mais natural do que esta divisão entre as esferas objectiva e subjectiva (podem pensar alguns), uma vez que o trabalho destina-se preponderantemente à produção de riqueza material. GRANDE EQUÍVOCO!

De facto, todos temos um valor único e inestimável pelos dons e capacidades com que nascemos e pela potencialidade singular de propagar ao mundo as nossas habilidades, servindo ao bem comum e a nós próprios. Segundo Tarthang Tulku, um lama do Tibete que combinou os conhecimentos obtidos em seu treino tradicional com a observação dos hábitos e problemas proeminentes na sociedade ocidental, "temos a responsabilidade de trabalhar, de exercer nossos talentos e capacidades, de contribuir para a vida com a nossa energia... Trabalhar desta forma (de bom grado, com toda a nossa energia e entusiasmo) significa trabalhar com habilidade" (em O Caminho da Habilidade, Formas suaves para um trabalho bem-sucedido, ed. Cultrix).

trabalho-realizacao 02O trabalho pode ser um caminho de crescimento, de aprendizagem sobre nós próprios e de estabelecimento de relacionamentos positivos e saudáveis. Pode ser também uma via para desenvolvermos a nossa consciência e o nosso amor pela vida! Em suma, o trabalho pode ser um caminho para dar sentido à nossa vida!

E aí vocês podem perguntar- me: - Por quê buscar sentido para a vida? Será isto necessário? Não estaremos complicando mais ainda a nossa luta pela sobrevivência, incluindo mais esta tarefa?

De forma alguma, respondo aqui! A busca de sentido para a vida não é mais uma mera tarefa, mas sim, aquilo que verdadeiramente pode nos levar a sermos felizes, produtivos e úteis. Criar uma vida com sentido é auto-realizar-se. Sem nenhum desprezo pelas outras formas de vida, o facto é que a nossa consciência humana nos levou a necessitarmos de algo mais do que a mera sobrevivência física (nosso lado vegetativo), e satisfação de prazeres (nosso lado animal). Este algo mais é dado pelo sentido e pela satisfação que experimentamos quando integramos mente, corpo e coração, na vida.

Esta é a grande riqueza que produzimos a trabalhar – a geração de uma satisfação e contentamento genuínos que conferem uma qualidade única aos produtos e/ou serviços criados no trabalho e a difusão deste contentamento no ambiente de trabalho, comunitário e planetário, ampliando o impulso criativo ao longo da sociedade.

Todos estamos no mesmo barco, quer queiramos ou não. Outrora, o facto de com um pequeno passeio podermos ver todos os habitantes da nossa aldeia, fazia-nos ter muito presente o sentido comunitário. Preocupava-nos mutuamente e com o meio que nos rodeava pois precisávamos uns dos outros. O crescimento demográfico e a complexificação da vida, nas sociedades contemporâneas, levaram à ilusão da existência de universos completamente separados. Isto gerou um certo sentido de impotência mas também um descaso com o alheio, levando-nos a acreditar numa certa irresponsabilidade. Mera fantasia! Tudo afecta a todos e nós somos afectados por tudo. Somos responsáveis sim!

Produzir riquezas materiais através de processos que desprezam o potencial humano criativo é altamente insensato e não produtivo, numa época em que a gestão equilibrada e ecológica dos recursos é percebida como fundamental para o sucesso de uma empresa. Continuar a ignorar que é a riqueza interior que produz a riqueza exterior é como nadar contra a correnteza, o que obviamente desperdiça imensa energia criativa.

Cabe a nós, trabalhadores e empregadores reflectir sobre o que queremos fazer e sobre o que de facto estamos fazendo com o potencial criativo. Queremos continuar a produzir a qualquer custo deste que haja lucro ou queremos nadar num mar de criação e contentamento? Queremos continuar indefinidamente sérios, tensos, preocupados, trabalhando em ritmo de stress ou gostaríamos de trabalhar com gozo e relaxadamente? Serão as segundas opções possíveis? Não estamos a criar uma fantasia pueril?

Sim, tudo é possível! É a sonhar que produzimos a realidade! É importante no entanto distinguir fantasia de sonho! A fantasia é uma imagem, uma ilusão, muitas vezes reflexa dos medos ou padrões do pensamento de uma cultura; ela é como uma miragem que se desvanece quando nos aproximamos. Constantemente nos perdemos entre elas e por isto sentimo-nos insatisfeitos, pois assim também nos afastamos da nossa verdade. O sonho é a potencialização, a antevisão de um desejo, que nasce do nosso âmago. Sonhar é ouvir a nossa voz interior. Nós, seres humanos, vivemos do sonho, sem sonho o mundo não seria o que é hoje. Se tivéssemos vivido limitados à "realidade" (esta sim é uma fantasia colectiva, muitas vezes) nenhuma invenção teria sido feita. A ciência e as principais criações tecnológicas e artísticas de que desfrutamos nasceram do sonho.

Sonhar é o início de toda criação, é a nossa ligação intuitiva com o divino (ou se quisermos, com a consciência universal) é a nossa escuta da voz divina. Segundo Jean Yves Leloup, ex-sacerdote ortodoxo, psicólogo, escritor e estudioso da consciência humana, a essência da tradição espiritual genuína cristã pode ser compreendida com o Livro de Jonas. Este livro conta a história de Jonas e dos seus diálogos com Deus. Pode ser interpretado como o processo de abertura para o Eu superior, o Eu divino em nós. Todo o valor da tradição cristã assenta sobre a história de Jesus e da sua veracidade. Segundo historiadores do Cristianismo, Jesus actuava junto aos seus seguidores de uma forma muito semelhante ao que o Livro de Jonas aborda, ou seja, direccionava as suas pregações (que eram actuadas mais do que meramente verbalizadas) para a escuta da voz interior, da voz divina em nós próprios. Não ouvir a voz interior (como Jonas que não segue o apelo de Deus) sujeita-nos ao sofrimento da turbulência errática (tempestade que Jonas enfrenta em alto mar) que cada vez mais nos afasta de nós próprios, até sucumbirmos ao mundo da escuridão da inconsciência (Jonas é engolido por um grande peixe). Portanto, ouvir a voz interior é a nossa verdadeira chance de realização. A realização, por sua vez, é a nossa possibilidade de libertação da consciência em vida, iluminando-a de sentido e cor!

Algumas medidas tornam-se necessárias ou, pelo menos, aconselháveis para este redireccionamento do trabalho no sentido da sua verdadeira fonte - a criação interior.

O ponto de partida (e de chegada, pois quanto mais investimos nele mais ele cresce), é desenvolvermos a consciência para uma "atenção plena". É importante situarmos que a nossa perspectiva não é meramente psicológica mas sim holística (espiritual). Não estamos a falar de melhorarmos as nossas capacidades cognitivas, mas sim de um trabalho de ligação entre a mente e o coração. A princípio isto pode parecer algo insólito mas com a prática vemos como é muito mais eficaz esta abordagem holística.

trabalho-realizacao 03Em primeiro lugar, é importante olharmos para nós próprios. Ouvirmos os nossos pensamentos, sentirmos as nossas emoções, darmos espaço para tudo isto existir. Para melhorar ou mudar alguma coisa em nós ou numa situação é preciso conhecê-la, observá-la e aceitá-la. Por vezes, simplesmente direccionar a atenção para nós próprios ou para o problema que queremos sanar é suficiente para resolver a questão. Do ponto de vista da saúde, por exemplo, levar a atenção para alguma perturbação que estejamos a sentir, tendo consciência da respiração que deve ser equilibrada e harmoniosa, é o suficiente para sanar o mal-estar. Conectarmos com o nosso âmago tem um poder altamente harmonizador e curativo. Nós esquecemo-nos disto pois raramente o praticámos. Em essência somos livres e equilibrados. "Bebemos" do Universo a sua força e harmonia infinitas. É portanto fundamental retomarmos o contacto com o nosso âmago em toda a sua liberdade e pujança. Podemos agilizar isto, praticando a auto-observação (com aceitação, não fazendo julgamentos). A meditação é um exercício excelente que ajuda muito no resgate da liberdade interior.

Em segundo lugar, é importante olharmos para o trabalho como alguém de quem gostamos e desejamos cuidar carinhosamente. Investir afectivamente no trabalho, usando a força do coração e da mente, dá-nos uma motivação especial que nos permite encarar tarefas difíceis com abertura e disposição. Para isto é importante que ampliemos a visão do trabalho como um meio de sobrevivência para vê-lo também como um meio de crescimento e aprendizagem.

Direccionar a mente e focar a atenção são atitudes bastante úteis para o sucesso do seu desempenho. Realizar cada tarefa de uma vez e de forma concentrada evita o desperdício energético de uma mente a divagar. Trabalhar bem e com carinho é um bom exercício para o corpo e para a mente. O enfoque no investimento afectivo, e não no mero cumprimento de obrigações, elimina a tensão. Somos alimentados por sentimentos positivos de contentamento. Conforme vamos aprendendo a estabelecer metas mais sensatas e adequadas às nossas capacidades, conseguimos cumpri-las com mais facilidade. A satisfação que disto decorre fortalece anossa capacidade para crescer na vida. O verdadeiro crescimento surge da integração e da aplicação de habilidades práticas e de atitudes positivas, no trabalho e na vida.

O uso correcto e justo da energia também é um factor que muito contribui para um trabalho realizador. A energia é a força que tudo move. A mente precisa de energia para funcionar e o corpo também. Obtemos energia através do ar que respiramos, da alimentação, e das trocas afectivas. Nascemos com um arsenal energético herdado dos nossos pais e adquirimos energia ao longo da vida. Também a gastamos e boa parte da nossa saúde e sucesso, em qualquer empreendimento que fazemos na vida, depende do uso que fazemos da energia. Ela, enquanto força motriz, é a base para tudo o que fazemos, quer se passe no interior do nosso corpo e mente, quer se passe entre pessoas, quer se passe no mundo. Quando conhecemos e usamos de forma harmoniosa a nossa energia também conseguimos lidar melhor com a energia que nos rodeia, quer humana, quer ambiental. A prática do Chi-Kung, do Kum Nye ou do Tai chi chuan podem ser excelentes recursos para aumentar a probabilidade de uma vida com êxito.

"Quando estamos relaxados, calmos e abertos, como um lago numa clareira, a qualidade da nossa natureza interior sobressai nitidamente" (Tarthang Tulku em O Caminho da Habilidade). Temos uma melhor percepção de nós próprios e de tudo o que nos cerca. Recebemos mais energia, que sendo bem focada, nos permite pensar com mais clareza. Temos mais autoconfiança e movimentamo-nos com maior fluidez.

Ao contrário do que muitas vezes pensamos, o relaxamento permite-nos usufruir mais a contento das nossas capacidades, contribuindo para uma atenção e presença plenas. Mantendo-nos relaxados, a energia flui melhor. Tendo mais energia (ou melhor acesso a ela), a nossa mente funciona melhor. Neste sentido, é muito útil o conhecimento e a adopção de práticas que promovam o relaxamento. Neste campo, existem muitas actividades. Algumas delas são ancestrais tais como o sistema do Tao Curativo que utiliza técnicas de transformação do stress em saúde e vitalidade. O seu lema é: se queremos ter mais energia devemos procurar evitar as suas fugas. Nós desperdiçamos energia deslocando demasiada atenção para o exterior, entregando-nos a emoções negativas e utilizando irresponsavelmente nossa energia sexual. Neste sistema do Tao Curativo aprendemos a relaxar, a direccionar a atenção para o interior, a harmonizar nossas emoções e a utilizar a energia sexual para o nosso crescimento espiritual. Todas as técnicas deste sistema são altamente energizantes, harmonizadoras e relaxantes, sendo o Sorriso Interior uma técnica extremamente útil e acessível.

Todos sabemos a força que tem sobre nós sermos apreciados com sinceridade por outrem. É maior ainda o impacto desta força quando somos nós a apreciar o que quer que seja, A apreciação tem este efeito porque flui desde o coração e traduz sua ligação amorosa com aquilo (aquele) que é apreciado. É também uma forma de conectarmos mente e coração com o presente.

Todos queremos ser felizes e saudáveis. Isto é um desejo natural. Muitas vezes passamos longos períodos em busca de satisfação, enfrentando várias adversidades, sem pouca ou nenhuma compensação. Quanto sacrifício fazemos! Na verdade, não é de todo necessário, pois basta olhar e apreciar pequenas coisas que nos tocam (e que sempre existem pois senão não estávamos vivos) para alimentar um pouco o coração e ser feliz. Termos metas e planos é saudável, mas também é importante deixarmos o coração bater e regojizar-se de estar vivo, pois a felicidade é o seu sentimento natural. Não o tolhamos! Deixemo-nos encantar pelo presente, este sim, é fonte de toda satisfação.

"A concentração é como um diamante, (ela é) a focalização brilhante da nossa energia, inteligência e sensibilidade" (Tarthang Tulku em O Caminho da Habilidade). Quando desenvolvemos a nossa capacidade de concentração tornamos, ao mesmo tempo, a consciência mais aguçada e vital e isto aumenta a capacidade de apreciar as nossas experiências. Embora envolva uma focalização da energia, a concentração não deve ser vista como um estreitamento da mente, pelo contrário, ela pode ser um meio para nos abrirmos para o trabalho, para a experiência e para a vida. Neste sentido, desenvolver a concentração, deve ser um trabalho instigante e estimulante que conduz a mente com firmeza para os focos principais. Não devemos cercear nem obrigar a mente. Todo o trabalho deve ser suave e não opressivo.

Quando trabalhamos bem e de forma concentrada, ganhamos mais confiança, não nos perdemos em confusões e ansiedades, dispondo de mais energia criativa para a realização e satisfação dos nossos objetivos.

O tempo é aquilo que permite que as coisas aconteçam, é o fluxo dos eventos, o desdobrar da experiência – esta é a sua verdadeira natureza. Infelizmente, e na maior parte das vezes, não aprendemos a utilizá-lo a contento. Gastamo-lo com pensamentos inúteis, sem direcção, sem propósito. Por consequência, nosso crescimento pessoal é lento e instável. Isto gera um sentimento de que o tempo está a passar rapidamente. Reagimos correndo atrás do tempo. Sobrecarregamo-nos de tarefas feitas em simultâneo que com certeza não serão realizadas satisfatoriamente. Tudo isto impede-nos de uma verdadeira satisfação, e de um aprofundamento do sentido e propósito da nossa vida.

Só conseguimos nos satisfazer com o que fazemos se estamos em harmonia com o fluxo do tempo. Quando este é bem usado, cada minuto é como se fosse uma jóia que enriquece nossa experiência de vida, pois o tempo é a nossa vida! Quando aprendemos a doseá-lo, medindo-o e calculando-o em função das tarefas que temos, o tempo parece expandir-se. Conseguir planejar e executar as tarefas no tempo justo, dá-nos um sentido de rapidez e fluidez; não a rapidez de estarmos correndo atrás do tempo, mas sim um bom ritmo de trabalho. Isto permite-nos um maior controle e predição dos resultados, aumentando a confiança na nossa capacidade de realização.

trabalho-realizacao 04O fortalecimento da consciência do tempo apura a apreciação de tudo o que acontece à nossa volta. Temos mais energia para partilhar e ficamos mais disponíveis para ajudar os outros a aprenderem e a crescerem. Sentimo-nos mais úteis e prestáveis, o que contribui para o crescimento do significado do trabalho nas nossas vidas.

Todos nós, de certeza, já vivemos momentos em que estávamos tão envolvidos no que fazíamos que nada mais importava, em que o interesse se voltava exclusivamente para a tarefa realizada, a qual tomava por inteiro o foco da nossa concentração. Tínhamos bastante clareza sobre o que queríamos e sobre o que era necessário fazer para atingir o nosso objectivo. Ao terminar um trabalho desta natureza, vivemos um sentimento intenso de satisfação que perdura, instigando-nos para novos trabalhos feitos com o mesmo empenho. Isto é trabalhar no nível visceral, a qualidade leve e ascendente da nossa energia. Quando assim trabalhamos, adquirimos segurança e tornamo-nos numa fonte de inspiração para os que nos rodeiam.

Infelizmente, poucas vezes actuamos com esta inteireza, pois somos levados por receios que acabam por dividir o nosso Ser. Daí vamos alimentando uma espécie de bola de neve de distracções e de desculpas que aumentam mais ainda a nossa distracção e divisão. Quando nos sentimos mal com o que estamos a fazer no trabalho, cabe perguntar de que forma é que nos afastámos do nosso trabalho a nível visceral; quais são os pensamentos e receios que nos fizeram distanciar da nossa essência. Conhecer os nossos padrões de trabalho e de relacionamento com os outros, e sermos justos na utilização da nossa energia, pode nos encaminhar para uma vida profunda e cheia de significado.

Não se trata de dar mais vigor às acções nem ímpeto aos pensamentos, (não há que ser uma pessoa freneticamente empolgada, nem mudar de natureza para parecer uma pessoa muito dinâmica e activa) mas sim de trabalhar a nível visceral, usando, de forma total e ligada à mente, o coração, a energia e a atenção plena.

Com estas oito ferramentas para a criação de uma "atenção plena" (Liberdade Interior, Cuidando do Trabalho, Energia, Relaxamento, Apreciação, Concentração, Tempo, Trabalhando no Nível Visceral) construímos uma base sólida para assumirmos o trabalho como uma via de crescimento, desenvolvimento e realização. É só pôr em prática!

Lúcia Borges, Agosto de 2013

Para mais informações, contacte-nos:

Telefone: (+351) 211 452 787
Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Contabilidade, Fiscalidade & Gestão de Recursos Humanos

Suporte estrutural das organizações, empreendimentos e projetos, muito para além de uma ferramenta de gestão, propomos em parceria, criar metodologias orgânicas e bio para recriar novos instrumentos de desenvolvimento e de sustentabilidade económico-financeira.

 

Mais informações

Empreendedorismo

Siga o seu sonho – seja um empreendedor de sucesso.

Apoiamos cada passo de forma sustentada desenvolvendo a sua inteligência empreendedora e inovadora.

 

Mais informações

Inovação Económica & Financeira

Construímos uma nova sociedade onde a equidade e a ética são os valores da sua sustentação e a integridade a humanização organizacional.

Trata-se de uma construção de novos paradigmas sociais e económicos e o percurso desta transição é dos maiores desafios que as sociedades atuais enfrentam.

 

Mais informações

 

Desenvolvimento Pessoal / Empresarial

Florescimento humano, Coaching e capacitação das habilidades e capacidades pessoais, profissionais e sociais, são o caminho para a integridade e a realização global.

 

Mais informações

Temos 39 visitantes e 0 membros em linha

Fale Connosco
1000 caracteres à esquerda